quarta-feira, 13 de julho de 2011

Alguém. Tão, tão, tão...

Sempre tento escrever à você. É tão difícil. Não sei, mas algo me segura. Te conheço desde que nasci, quando meus olhos abriram pela primeira vez foi você quem viu e quando meu choro surgiu era você que tentava me acalmar. Só tentava. 16 anos se passaram. Que loucura, você continua me acalmando, não mais como antes, mas com o mesmo amor, na mesma medida. Há quem diga que fazer cartas é fácil, que colocar palavrinhas numa folha de papel e entregar é mole, mentira. Eu não sei o que escrevo nesse papel, mas eu sei o que escrevo dentro de mim. Desde o primeiro momento em que vi você, eu soube, esse não precisa fazer esforço para ser especial. Você nunca fez esforço. Não faz. Você, tão simples e quieto, calmo e nervoso, sabe falar, sabe ser importante, sabe me fazer entender. Você que me acompanhou desde sempre, eu nunca sei escrever uma cartinha dizendo: Eu te amo. Mas sei escrever bem aqui dentro, o quanto amo você e o quanto me orgulho de ter alguém como você. Metade de mim te agradece, a outra metade te admira. Papai.

Um comentário:

equipeloveme disse...

Olá!
Nós adoramos o seu blog e o conteúdo que ele possui e por isso estamos te seguindo :)
Espero sua visita no nosso tb.
Um beijo e ótima sexta-feira!